Conheça a Pirâmide de Maslow

blog conhecaapiramide - Conheça a Pirâmide de Maslow

Conheça a Pirâmide de Maslow

Em meados do século 50, o psicólogo e pesquisador norte americano Abraham H. Maslow desenvolveu a Pirâmide da Hierarquia de Necessidades (também chamada de Pirâmide de Maslow). Para ele, os indivíduos estão sempre em busca de satisfazer suas necessidades, que são exigências humanas básicas, e é justamente a perspectiva de realização delas que gera uma força motivadora neles.

Vamos falar mais sobre esse assunto aqui neste artigo:

Pirâmide da Hierarquia de Necessidades


Para Maslow, as necessidades eram saciadas de forma hierárquicas, sendo que uma etapa precisava ser saciada antes da outra (guiando o indivíduo da base para o topo). Hoje, a estrutura é vista de forma mais flexível, mas ainda possui seu valor teórico e prático. Bom, vamos falar mais detalhadamente sobre cada parte da pirâmide (começando pela base):

1. Necessidades Fisiológicas:


Essa é a base da pirâmide, ou seja, as primeiras necessidades que precisam ser saciadas. Estamos falando daquilo que mantém o corpo saudável e garante a sobrevivência.

Dessa forma, ela envolve a disponibilidade de abrigo e o bom funcionamento das funções vitais, como os processos que estabilizam o organismo para realizar suas funções de forma adequada e manter o equilíbrio do corpo (homeostasia), respiração, sono, digestão, saciar a fome e a sede, entre outros.

2. Necessidades de Segurança:


Engloba mais do que só a necessidade de um abrigo, essa fase diz sobre se sentir seguro perante algumas situações. ou seja, é a busca pela proteção.

Assim, podemos citar como exemplo a estabilidade no emprego, segurança do corpo (proteção contra ameaças), segurança da saúde (ausência de doenças), segurança da família, segurança da propriedade, entre outros.

3. Necessidades de Pertença e Amor:


A terceira fase está relacionada ao senso de pertencimento e intimidade (compartilhamento de afeto com pessoas). Ambos fatores são essenciais para a nossa sobrevivência, uma vez que somos seres sociais e que precisam de contato humano (evoluímos de maneira social).

Então, estamos falando de relacionamentos de amizades, familiar, amorosos e do sentimento de pertencimento a grupos sociais.

4. Necessidades de Estima:


Quase no topo da pirâmide temos as necessidades referentes a ideia de o ser humano ser benquisto nos grupos sociais. Elas compreendem a imagem que o indivíduo tem de si – autoestima e autorrespeito – e o desejo de obter a estima dos outros.

Então, além de ser um ser social e que precisa de contato com outras pessoas, ele precisa mostrar suas potencialidades para ser reconhecido. Como exemplo, temos o sentimento de confiança, conquistas e realizações, adequação, respeito mútuo, entre outros.

5. Necessidades de Autorrealização:


Por último, no topo da pirâmide, temos a busca do ser humano pela realização pessoal e profissional. É uma das etapas mais complexas, mas é essencial para estimular os indivíduos.

Para se ter conhecimento dessas necessidades, é preciso muita reflexão e autoconhecimento. Estamos falando sobre desenvolvimento e crescimento interior (criatividade, talento, desenvolvimento pessoal, controle de emoções e ações, etc.)

Bônus:

Após a criação dessa Pirâmide da Hierarquia de Necessidades, Maslow identificou mais duas necessidades:

6. Necessidade de Conhecer:


Inicialmente, essa fase foi denomina como “Desejos de Saber e de Entender”, mas o termo foi substituído por “Necessidades de Conhecer” pelo próprio Maslow.

Assim, ela diz respeito ao desejo de entender, sistematizar, organizar, analisar e procurar por relações e significados, ou seja, aprender, conhecer e compreender o mundo, as pessoas e a natureza.

7. Necessidades Estéticas:


Essa fase está relacionada às necessidades de beleza, perfeição, simetria, simplicidade, inteireza, arte e ordem.

Em outras palavras, é sobre aquela necessidade que os indivíduos têm de estar sempre dentro dos padrões sociais de beleza.

Conclusão


Apesar de ser relativamente antiga, a Pirâmide de Maslow possui uma abordagem bastante atual ainda. A melhor parte dela é que pode ser aplicada em diversas áreas, por exemplo:

– No RH, esses conceitos servem para motivar e satisfazer seus funcionários, ajudando a melhorar a produtividade e, consequentemente, fazer a empresa crescer. Assim, é importante saber em qual ponto da carreira está cada pessoa e quais as necessidades deles naquele momento;

– No Marketing, é uma ótima ferramenta para ajudar a pensar e lançar os produtos com maior aceitação no mercado, ajudando a entender e suprir as necessidades dos potenciais clientes. Veja, como vocês podem ver, o Marketing não inventa essas necessidades, elas já existem! O que ele faz é estudá-las para fazer os objetos se tornarem desejo (em outras palavras, utiliza dela para criar os objetos de desejos a serem consumidos).

Comentários